Cases Infográficos Monitoramento de Redes Sociais

Do autódromo para as redes sociais: como foi o Lollapalooza 2015

0

Trazendo atrações como Pharrell Williams, Jack White, Calvin Harris e Skrillex, a quarta edição do Lollapalooza no Brasil levou ao autódromo de Interlagos 66 mil pessoas no dia 28 de março e 70 mil no dia 29. Nas redes sociais, foram mais de 250 mil usuários dando pitacos sobre o festival.

Aqui na Hekima, quando ainda éramos Zahpee, acompanhamos de perto a movimentação dos fãs no Twitter, Facebook e Instagram. Quer saber o que eles acharam do Lolla 2015? O infográfico abaixo te conta como foram os dois dias do festival na perspectiva das redes sociais.

Zahpee-LollaPalooza-nas-Redes-Sociais

Para captar tanto a expectativa que precedia o Lolla, quanto a euforia pós festival, coletamos publicações entre a meia-noite do dia 28 e o meio-dia do dia 30. 256.121 usuários foram responsáveis por 914.082 posts no período (média de 3,56 posts por usuário).

O canal mais usado pelo público foi o Twitter, cuja dinâmica facilita as postagens mais objetivas e rápidas, ideais para quem quer dar pitacos enquanto está curtindo um show. O Facebook registrou bom número de posts, enquanto o Instagram aparece no último lugar entres os canais. Vale destacar que no caso do Instagram foram coletados os posts que contém hashtags relacionadas ao festival.

Mais que engajados

Fã que é fã consegue assistir ao show, cantar junto, pular, tirar foto e postar nas redes sociais, tudo ao mesmo tempo. Duvida? É só olhar para o gráfico de volume por hora. O grande pico de posts coincide com o horário do show de Calvin Harris no domingo, um dos mais esperados e elogiados do festival.

No sábado, o destaque ficou por conta de Skrillex. O maior volume de posts registrado no dia foi durante os momentos finais do show do DJ.

E os queridinhos do público foram…

Quem achava que o rock era o gênero dominante no Lolla pode ter que rever seus conceitos. Os DJs Calvin Harris e Skrillex desbancaram nomes de peso como Jack White, Robert Plant e Smashing Pumpkins e foram as atrações mais citadas pelo público nas redes sociais. A banda Foster The People representou o time dos roqueiros, ficando com o terceiro lugar.

Lollapa… como é que é mesmo?

Curtir o Lolla é fácil, difícil é escrever o nome do festival sem errar nenhuma letra. A grafia incomum gera dúvidas, erros e brincadeiras com o nome “Lollapalooza”. Lollapalloza? Lulapalooza? Loolapalooza? Ok, a gente entendeu. E contabilizou. Mais fácil chamar só de “Lolla”, não é?

Muito além do autódromo

Não foi só em São Paulo que se falou de Lollapalooza. Resposável por 33% das publicações, o estado foi onde mais se falou sobre o festival, seguido pelo Rio, que acumulou 19% dos posts. Minas Gerais com 9% e os demais estados, que somaram 39% das publicações, provaram que o país inteiro estava ligado no Lolla.

Multishow e Bis, vocês quebraram um galho…

Entre as dez hashtags mais populares, seis faziam referência ao Multishow e duas ao Bis. Não é a mesma coisa de estar lá, mas os fãs agradeceram as transmissões.

Marina, você fez falta

Horas antes do início do festival, a organização anunciou que a cantora Marina and The Diamonds teve problemas para embarcar ao Brasil, e acabou sendo substituída pelo brasileiro Marcelo D2. O fãs não gostaram nem um pouco da notícia, e muitos culparam a organização do Lollapalooza. Horários conflitantes entre os shows e falta de cerveja no segundo dia do evento também foram motivos de reclamação.

Quantos mangos custa?

Os preços das comidas e bebidas oferecidos no autódromo não agradaram muito os fãs. O mango, moeda oficial do Lolla, custava R$ 2,50 e muitos o consideraram uma forma de mascarar os altos preços.

Autódromo de Interlagos ou Jockey Club?

As duas primeiras edições do Lollapalooza no Brasil aconteceram no Jockey Club de São Paulo. As duas últimas, no Autódromo de Interlagos. Qual é o preferido do público?

Aparentemente, o Jockey Club. Apesar de elogios à estrutura do autódromo, muitos usuários reclamaram do tamanho do local, que exige longas caminhadas entre os palcos. Alguns compararam os dois locais. Apesar de algumas críticas ao solo do Jockey, que em caso de chuva “vira lama”, segundo os usuários, o hipódromo ganhou na preferência daqueles que se manifestaram.

Vai como?

Para facilitar o acesso ao autódromo, o transporte público de São Paulo foi adaptado para atender ao público do Lollapalooza. O metrô parece ter sido o transporte preferido da maior parte dos usuários. Foram poucas as reclamações sobre o trânsito nas imediações de Interlagos, o que sugere que o esquema de transporte foi bem sucedido.

E você? Foi ao Lolla? Assistiu em casa? Prefere o autódromo ou o Jockey? Música eletrônica ou rock? Conte pra gente o que achou do Lolla e do infográfico!

 

  • André Silveira

    Ótimo infográfico! Bela apresentação e um bom exemplo de como visualizar comportamento através de dados digitais. Imagina, se considerarmos também metadados. Show de bola.

  • André Silveira

    Ótimo infográfico! Bela apresentação e um bom exemplo de como visualizar comportamento através de dados digitais. Imagina, se considerarmos também metadados. Show de bola.