Análise e Discussão Big Data Cases

Minority Report da vida real: China utiliza Big Data para prever crimes

china-precrime-hekima-bigdata
2

Você que acompanha nosso blog, já viu por aqui diversos exemplos de aplicação de Big Data nas mais variadas áreas.

É fato que a adoção dessa tecnologia é mais difundida no mundo dos negócios, porém ela pode ser útil em áreas não tão óbvias de se supor.

O setor governamental, por exemplo, pode se beneficiar amplamente de tecnologias de Big Data. A própria natureza do serviço público envolve números muito grandiosos, pois é preciso atender milhares e até milhões de cidadãos.

Seguindo esta linha, vamos mostrar neste post como as autoridades chinesas estão utilizando uma plataforma de Big Data com o ousado propósito de identificar a possibilidade de crimes antes que eles aconteçam. Isso mesmo!

Não é futurologia, mas sim tecnologia.

Prevenindo crimes com uma plataforma de Big Data

Na China, as autoridades responsáveis pelo combate à criminalidade estão começando a se utilizar de um recurso que antes só poderia ser visto em filmes de ficção científica: ações pré-crime.

O governo local designou um dos maiores prestadores de serviço ao estado na área de segurança, a China Electronics Technology Group, para conduzir o processo de desenvolvimento de um software para coletar dados sobre trabalho, hobbies, consumo, entre outros tipos de comportamento de cidadãos comuns. O objetivo desse software é detectar a possibilidade da ocorrência de crimes — especialmente terrorismo — antes que eles aconteçam.

O programa também se utiliza de uma preexistente e vasta rede de informantes do governo, designados para monitorar a vizinhança, alertando sobre aspectos diversos, desde violações às políticas locais de planejamento familiar até comportamentos suspeitos.

Isto é utilizado em conjunto com uma nova legislação que entrou em vigor neste ano, regulamentando as ações de espionagem do estado. Esta lei concede às autoridades o direito de acessar contas bancárias, sistemas de telecomunicação e a rede nacional de vigilância chamada Skynet.

Não é de espantar que, com tantos poderes para saber detalhes pessoais dos cidadãos, o programa já seja objeto de vários questionamentos e polêmicas em torno que questões sobre privacidade.

Como funciona

Na prática, a plataforma mantém um constante monitoramento da população, identificando padrões de comportamento que, quando alterados, podem ser considerados indicativos de atividades suspeitas.

Assim, por exemplo, se um cidadão começa a receber repentinamente quantias muito elevadas de dinheiro em sua conta bancária ou se, mesmo não tendo parentes morando fora do país, começa a fazer ou receber muitas ligações do exterior, esta pessoa pode ser classificada como suspeita e passar a ser objeto de investigações ou monitoramento individualizado.

Quando enquadrados dessa maneira, os cidadãos podem ter suas contas bancárias bloqueadas e as empresas de telecomunicações são obrigadas a conceder ao governo acesso irrestrito ao seu histórico e informações pessoais.

O sistema vem sendo comparado com a história relatada no filme “Minority Report”, uma trama de ficção científica que se desenrola em torno de um sistema que detecta crimes com 4 dias de antecedência. Será possível algum dia nós possamos chegar a este cenário? E mais do que isso, será possível que este objetivo seja atingido mantendo o respeito à privacidade dos cidadãos?

Para descobrir, vamos manter essa novidade chinesa sob observação! Assine nossa newsletter e receba nossas postagens no seu e-mail!

Baixe_aqui_seu_Ebook