Análise e Discussão Monitoramento de Redes Sociais

Produção de conteúdo personalizado: a adaptação das redes sociais

0

As redes sociais surgem de um dia para o outro, viralizam-se freneticamente por todas as partes do mundo e são relegadas ao desuso, dando espaço a alguma nova mídia social, dotada de algum recurso mais interativo ou uma interface gráfica mais atualizada com os novos anseios sociais (o Orkut lhe diz algo?). E tudo isso com a mesma velocidade meteórica com a qual as informações são disseminadas no mundo das redes.

A instantaneidade da vida moderna exige olhos atentos às inovações e possibilidade de incorporação de recursos que tornem a experiência do usuário cada vez mais intensa e próxima da realidade. E, nesse quesito, a bola da vez é a produção de conteúdo personalizado através do monitoramento de redes sociais.

A correção de rumos do Twitter

O Twitter é um exemplo do quanto é possível se reinventar por meio da produção de conteúdo personalizado. A empresa vem enfrentando dificuldades para romper a (difícil) fronteira de 300 milhões de usuários (alcançada no final de 2014). O preço das ações vem caindo e a receita líquida, encolhendo no mesmo ritmo. Quando as notícias não são boas, é necessário dar um passo mais audacioso do que a concorrência é capaz. Após trocar recentemente de CEO, o Twitter anunciou o lançamento de uma ferramenta chamada “Moments”, que busca tornar essa rede social mais compreensiva a quem tem pouca intimidade com a avalanche de notícias que desabam diariamente na tela dos seguidores da rede.

O “Moments” reafirma o Twitter como instrumento de produção de conteúdo independente, mas, dessa vez, de uma forma mais organizada. Trata-se de uma espécie de “revista”, que compila as notícias ou tweets mais importantes de um período.

Até aí, nada de novo, certo? A grande sacada do Twitter, no entanto, foi utilizar o monitoramento de mídias sociais como base para essa agregação. Ou seja, os interesses de cada usuário, registrados na rede, serão o ponto de partida para a seleção das notícias, de forma que só os assuntos similares a cada um deles sejam exibidos em sua tela. Embora haja curadoria humana, esse recurso se baseará em algoritmos para coletar dados que possam customizar — o máximo possível — o conteúdo compartilhado. É puro Social Big Data trabalhando para corrigir um erro antigo dessa importante rede social (a profusão de informações produzidas de forma descontrolada)!

As mudanças no News Feed do Facebook

Mas não é só o Twitter que tem se aproveitado da Inteligência Digital para se aproximar de seus seguidores. Anunciadas em julho deste ano, as mudanças a serem implementadas no Feed de notícias do Facebook vão ao encontro desse esforço em personalizar a produção de conteúdo em mídias sociais (com o auxílio de ferramentas de monitoramento). A rede de Mark Zuckerberg, no entanto, buscou mesclar a intervenção humana com a possibilidade de o próprio usuário selecionar o conteúdo gerado.

O “News Feed” permite que o usuário escolha amigos ou algumas páginas específicas para serem exibidas de forma prioritária na timeline. A nova versão traz também uma seção, que mostra todas as movimentações de uma pessoa de sua escolha, desde o seu login.

Entretanto, o monitoramento de redes sociais não foi desprezado. A coleta exaustiva dos dados dos adeptos da rede será usada para construir, de forma automatizada, uma matriz de opções de páginas e assuntos de possível interesse de cada usuário. Essas sugestões serão mostradas ao longo do processo de navegação, oferecendo uma comunicação cada vez mais humanizada entre rede social e usuário.

Mídias sociais e mercado publicitário

No que tange ao Facebook, vale a pena lembrar que a mais popular rede social do planeta anunciou, no começo do ano passado, que lançará sua própria rede de publicidade para dispositivos móveis. A ideia é tirar proveito dos cerca de 500 terabytes de dados que são capturados pela rede diariamente, a fim de gerar conteúdo publicitário personalizado, nos moldes do já executado pelo Google, através do AdMob. Muito além da detecção de erros na concepção de produtos (veja aqui o caso da marca de balas britânica Halls) ou na retificação de ações de marketing, as soluções em Big Data Analytics se tornaram fundamentais para alcançar o público certo, na hora exata de suas necessidades, reduzindo custos e atingindo resultados financeiros muito mais sólidos em relação às tradicionais ações de outbound marketing (rádio, revistas, TV, etc.).

Como pode ser percebido, não são somente as redes sociais que são combustíveis para o marketing digital: o próprio produto gerado por elas tem sido usado para alimentar um processo de autoreinvenção constante, transformando cada vez mais esses aplicativos em um canal transbordante de informações diferentes ao olhar de cada usuário, capaz de gerar uma experiência particular a cada seguidor, fidelizando-o. Esse é o grande trunfo da personalização da comunicação moderna.

Não sabe como aplicar a produção de conteúdo personalizado no âmbito de sua empresa? Ficou curioso sobre como um monitoramento pode funcionar?

Deixe uma mensagem abaixo e vamos mostrar alguns caminhos possíveis para atingir seu público com muito mais intensidade por força do monitoramento de mídias sociais!