Google quer fortalecer Big Data e ser líder nos serviços de nuvem

Antes, o (nem tão) saudoso disquete bastava para guardar as planilhas, textos, catálogos ou dezenas de fotos (em baixa definição, claro). Depois dele, os CDs, os DVDs, os drives externos fizeram o seu papel de guardiões dos nossos bytes, megabytes e terabytes de conteúdo.

Quanto mais cresce a capacidade de produzir informações, mais as empresas precisam de soluções capazes de arquivar o máximo de dados – com a possibilidade de achá-los rapidamente depois. Onde acontece essa mágica? Na nuvem.

1526
5