Análise e Discussão Big Data Cases

Como Big Data Analytics está transformando a indústria da construção?

1

Além das crises econômica e política, a indústria da construção brasileira ainda enfrenta outros desafios para crescer e inovar nos dias de hoje.

É preciso ser mais eficiente, reduzir custos, atender aos clientes em prazos menores e, inclusive, ter processos mais sustentáveis.

Mas, como é possível que uma empresa atenda a todos esses pré-requisitos e se mantenha competitiva no mercado?

Quem responde a esse questionamento são construtoras americanas, que já utilizam informações retiradas da mineração e análise de Big Data para pavimentar um novo caminho para a indústria.

Desperdício e ineficiência

Tradicionalmente, e não apenas aqui no Brasil, a indústria da construção é conhecida por seus altos custos e não cumprimento de prazos.

Um levantamento apontou que cerca de 35% das despesas de uma obra são referentes ao desperdício de material e a trabalhos de reparação, ou seja, medidas que precisaram ser tomadas para consertar algo que deu errado no projeto.

Isso significa que o custo de cada tijolo desperdiçado, por exemplo, poderia representar a falência de uma empresa ao final de alguns empreendimentos.

Como o mercado de tecnologia era carente de soluções para a indústria da construção, foi preciso desenvolver novos aplicativos que permitissem às empresas projetar suas obras de forma mais eficiente.

Lens = Big Data + BIM

Assim surgiu a tecnologia de visualização customizada, que ganhou o nome de “Lente” (do inglês, Lens). A Lente funciona associada ao sistema de Modelagem de Informações de Construção (do inglês, BIM – Building Information Modeling).

Através de uma plataforma 3D, que integra informações fornecidas pelas equipes de Engenharia, Arquitetura e por profissionais de construção, é possível criar toda a infraestrutura de uma obra e também fazer projeções e cálculos sobre possíveis mudanças.

Caso seja alterado o número de andares ou a qualidade do cimento utilizado, por exemplo, é possível saber em tempo real quanto isso vai custar e como o projeto final será.

O sistema de modelagem preditiva inclui também dados financeiros do projeto, documentos técnicos, cronogramas e outras informações relevantes, como as variações do clima no local da construção e como isso pode afetar o andamento da obra.

O objetivo do sistema é ser uma ferramenta mais eficiente para o planejamento das construções, tornando mais eficazes o gerenciamento global e as tomadas de decisão.

O BIM já contribuiu para a economia de cerca de U$11 milhões em um único projeto de construção civil, o que corresponde a mais de 18% do custo total desse empreendimento. Além disso, o sistema também adiantou o prazo de entrega do edifício em 12 semanas, aumentando a satisfação do contratante da obra e a confiabilidade na empresa executante.

Big Data for big deals

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a construção civil é uma das grandes responsáveis pela emissão de gases causadores do efeito estufa na atmosfera. Inclusive, a própria organização solicitou, por meio de um relatório produzido em 2014, que o ritmo das construções fosse desacelerado para evitar o aumento de 4 graus Celsius (em média) na temperatura global até 2100.

Diante desse desafio, as empresas vêm buscando alternativas que sejam mais sustentáveis e menos poluentes. O problema é que as soluções ecologicamente corretas ainda possuem alto custo para as organizações.

Entretanto, através da análise de Big Data, as construtoras podem identificar onde há desperdícios e atuar nesses gargalos. O uso não planejado de água e energia em uma obra e a falta de uma política para destinação correta de resíduos, por exemplo, são falhas que devem ser sanadas antes mesmo do início das atividades.

Ser sustentável, nesse caso, torna-se inclusive uma alternativa interessante do ponto de vista financeiro para as construtoras, visto que o uso de energia solar ou de água captada das chuvas teriam custos muito baixos. O “x” da questão passa a ser, na verdade, a eficiência do planejamento.

Crescimento esperado do setor

Estima-se que, em 2030, o setor de construção deverá crescer cerca de 85% em todo o mundo, ultrapassando a marca de U$15 trilhões de movimentação financeira.

Isso significa que os desafios serão ainda maiores no futuro, pois a indústria precisará investir constantemente em tecnologias que sejam eficientes, inovadoras e, acima de tudo, que respeitem o meio ambiente.

Você conhece alguma boa prática da indústria da construção que merece ser compartilhada? Deixe seu comentário abaixo.

Baixe_aqui_seu_Ebook_08